A sombra da Redenção

   

      Era um dia comum numa semana crucial, as atividades da escola seguiam, era inevitável não perceber o rosto pensativo dos alunos, afinal era a semana de se aproximar, reconhecer e se reconciliar com o coração paterno de Deus.
       A semana estava chegando ao final, aquele seria o último dia de ministração de aulas, os obreiros foram convidados para participar de uma dinâmica, quando chegasse a hora, o Pastor iria nos explicar do que se tratava .
    À noite nos reunimos, a dinâmica consistia em guiar os alunos por um caminho conhecido, vendados, vozes também conhecidas os guiariam pelo caminho, ministrando quem Deus é, Sua voz, chamado e direção. Outras vozes conhecidas deveriam desviar os alunos no meio da caminhada, através de ministrações contrárias às de Deus.
    Então, ao sinal de começo, os bons pastores começaram conduzindo suas ovelhas vendadas enquanto os maus pastores aguardavam em algum lugar do caminho, tão "nossa vida" essa dinâmica.
     O caminho era curto, estreito, desnivelado, com poucas curvas, levava a uma sala escura, onde havia água para lavar os pés, cadeiras, espaço, louvor e a cruz, a simples cruz de madeira iluminada por uma luz de celular.
       No caminho as ministrações iniciais deram o norte sobre ouvir e obedecer, convicção, confiança, misericórdia, graça, amor, oportunidades, justiça, lealdade... Houve quem foi ministrado enquanto ministrava, quem não se deteve no caminho, quem se perdeu muitas vezes, quem percebeu a graça, quem gritou, quem resistiu, quem reconheceu, quem se arrependeu, quem se encontrou, quem não cedeu e quem apenas seguiu.
    A sala era a chegada para todos, foi inevitável que eles e elas não se ajoelhassem, não se achegassem à cruz... ali eles foram afirmados e reafirmados, " És meu filho amado", diante da cruz.
       Enquanto cada um de nós fazíamos nosso momento com Deus, após ouvirmos e falarmos tudo o que foi dito e ouvido ao longo do caminho, naquele instante  eu estava sentada, havia feito uma oração e estava olhando para frente, a parede branca refletia uma sombra, aliás duas sombras uma estava estática, a outra se movia  num ritmo lento para frente, era uma cruz e alguém rendido diante dela.
        Literalmente a sombra da redenção, redenção é o resgate da humanidade por Jesus Cristo. No conceito Cristão os privilégios da redenção incluem o perdão dos pecados (Efésios 1:7), a justiça (Romanos 5:17) e a vida eterna (Apocalipse 5: 9,10)." A sombra me levou a pensar e repensar no poder da cruz, em quem a assumiu para a tornar o símbolo de amor, renúncia, liberdade, verdade e vida.
        A sombra... no caminho não havia sombra, era noite, estava escuro, as sombras que a lanterna produzia não chamavam atenção, era um caminho bonito durante o dia, mas naquela hora da noite nos inspirava cuidado, tantas coisas aconteceram naquele caminho, tantas histórias recordadas, tantas palavras que nos remetiam ao início,  acredito que missões seja isso, refletir a redenção, refletir o amor, a graça, a cura, a verdade, Jesus.
       Que haja sempre um caminho estreito, que haja sempre a voz do Pai nos guiando e que possamos nos render e se redimir diante dEle e que isso reflita em outros.
        
   
Previous
Next Post »
0 comentários